O marketing tem um papel essencial para o sucesso de qualquer negócio, mesmo no segmento jurídico, que é um segmento com muitas restrições.

Afinal, como as pessoas vão saber que você existe? qual a sua especialidade? quais os seus atributos? e quais problemas você vai resolver?

Enfim, são muitas questões que um cliente analisa antes de tomar uma decisão de compra.

O marketing vai ajudar você a se comunicar melhor, a promover o seu negócio e aproximar você do seu cliente.

 

O que é Marketing Jurídico?

O marketing na essência é identificar necessidades do cliente e propor soluções.

Marketing é satisfazer a necessidade do cliente!

Marketing não é propaganda, marketing não é promoção e não é publicidade.  Tudo isso são estratégias de marketing.

Quando se trata de Marketing Jurídico significa identificar necessidades e propor soluções, utilizando estratégias e táticas que respeitem as diretrizes do Código de Ética e Disciplina da OAB e do provimento 94/2000 do Conselho Federal da OAB.

Primordialmente para fazer Marketing Jurídico é preciso ter clareza em relação ao que pode e ao que não pode fazer.

Segundo o artigo 1º do Provimento 94, “é permitida a publicidade informativa do advogado e da sociedade de advogados, contanto que se limite a levar ao conhecimento público do advogado em geral, ou da clientela, em particular, dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços da advocacia que se propõe a prestar, observadas as normas do Código de Ética e Disciplina e as deste provimento“.

 

Por que fazer marketing jurídico?

Implementar estratégias de marketing jurídico permite que você alcance o público que realmente está interessado no seu serviço, ou seja, o marketing vai aproximar você do seu cliente.

 

Tudo sobre Marketing Jurídico

O que não pode fazer no Marketing Jurídico?

  • Menção a clientes ou a assuntos profissionais e a demandas sob seu patrocínio;
  • Referência, direta ou indireta, a qualquer cargo, função pública ou relação de emprego e patrocínio que tenha exercido;
  • Emprego de orações ou expressões persuasivas, de auto-engrandecimento ou de comparação;
  • Divulgação de valores dos serviços, sua gratuidade ou forma de pagamento;
  • Oferta de serviços em relação a casos concretos e qualquer convocação para postulação de interesses nas vias judiciais ou administrativas;
  • Veiculação do exercício da advocacia em conjunto com outra atividade;
  • Informações sobre as dimensões, qualidades ou estrutura do escritório;
  • Informações errôneas ou enganosas;
  • Promessa de resultados ou indução do resultado com dispensa de pagamento de honorários;
  • Menção a título acadêmico não reconhecido;
  • Emprego de fotografias e ilustrações, marcas ou símbolos incompatíveis com a sobriedade da advocacia;
  • Utilização de meios promocionais típicos de atividade mercantil.
  • Outdoors, painéis de propaganda, anúncios luminosos e quaisquer outros meios de publicidade em vias públicas. Salvo se exclusivamente para fins de identificação do escritório de advocacia, quando, então, é permitida a utilização de placas, painéis luminosos e inscrições nas fachadas e, ainda, desde que tenham caráter meramente informativo e primem por discrição e sobriedade, de modo que não configure captação de clientela ou mercantilização da profissão.
  • Não pode usar muro de terreno de casa para fazer propaganda do escritório; não pode plotar um carro do seu escritório, com a marca do escritório; não pode colocar divulgação do escritório em elevador ou qualquer espaço público.
  • Não pode, em regra, utilizar mala direta: mandar, distribuir panfleto, carta circular ou qualquer outra forma de publicidade que tenha o objetivo de fazer captação de clientela.
  • Não pode fazer oferta de serviço por meio de intermediários, de representantes do seu escritório. Isso é vedado pelas diretrizes da OAB.
  • Veiculação da publicidade por meio de rádio, cinema e televisão.
  • O fornecimento de dados de contato, como endereço e telefone em colunas ou artigos literários, culturais, acadêmicos ou jurídicos, publicados na imprensa, bem assim quando de eventual participação em programas de rádio ou televisão, ou em veiculação de matérias pela internet, sendo permitida a referência a e-mail.
  • Induzir o leitor a litigiar nem promover captação de clientela  por meio de colunas que o advogado mantiver nos meios de comunicação social ou os textos que por meio deles divulgar.
  • Responder, com habitualidade, a consultas sobre matéria jurídica por qualquer meio de comunicação, inclusive naqueles disponibilizadas por serviços telefônicos ou de informática
  • Debater em qualquer meio de comunicação, causa sob o patrocínio de outro advogado; abordar tema de modo a comprometer a dignidade da profissão e da instituição que o congrega.
  • Divulgar listas de clientes e demandas
  • Comportar-se de modo a realizar promoção pessoal e insinuar-se para reportagens e declarações públicas
  • A participação do advogado em programas de rádio, de televisão e de qualquer outro meio de comunicação, inclusive eletrônica, deve limitar-se a entrevistas ou a exposições sobre assuntos jurídicos de interesse geral, visando a objetivos exclusivamente ilustrativos, educacionais e instrutivos para esclarecimento dos destinatários

O que pode fazer no Marketing Jurídico?

  • Os anúncios de publicidade de serviços de advocacia devem sempre indicar o nome ou o nome social do advogado ou da sociedade de advogados com o respectivo número de inscrição ou de registro; devem, também, ser redigidos em português ou, se em outro idioma, fazer-se acompanhar da respectiva tradução. (NR. Ver Provimento n. 172/2016)
  • Identificação pessoal e curricular do advogado ou da sociedade de advogados;
  • Número da inscrição do advogado ou do registro da sociedade
  • Endereço do escritório principal e das filiais, telefones, fax e endereços eletrônicos;
  • As áreas ou matérias jurídicas de exercício preferencial;
  • Diploma de bacharel em direito, títulos acadêmicos e qualificações profissionais obtidos em estabelecimentos reconhecidos, relativos à profissão de advogado
  • Indicação das associações culturais e científicas de que faça parte o advogado ou a sociedade de advogados;
  • Os nomes e os nomes sociais dos advogados integrados ao escritório
  • Horário de atendimento ao público
  • Os idiomas falados
  • A utilização de cartões de visita e de apresentação do escritório, contendo, exclusivamente, informações objetivas;
  • A placa identificativa do escritório, afixada no local onde se encontra instalado;
  • O anúncio do escritório em listas de telefone e análogas;
  • A comunicação de mudança de endereço e de alteração de outros dados de identificação do escritório nos diversos meios de comunicação escrita, assim como por meio de mala-direta aos colegas e aos clientes cadastrados;
  • As malas-diretas e os cartões de apresentação só podem ser fornecidos a colegas, clientes ou a pessoas que os solicitem ou os autorizem previamente.
  • Fornecer em sites  informações a respeito de eventos, de conferências e  outras  de conteúdo jurídico, úteis a orientação geral (contanto que estas últimas não envolvam casos concretos  nem mencionem clientes);
  • As malas-diretas e os cartões de apresentação só podem ser fornecidos a colegas, clientes ou a pessoas que os solicitem ou os autorizem previamente.
  • A menção da condição de advogado e, se for o caso, do ramo de atuação, em anuários profissionais, nacionais ou estrangeiros;
  • A divulgação das informações objetivas, relativas ao advogado ou à sociedade de advogados, com modicidade, nos meios de comunicação escrita e eletrônica.
  • Os anúncios de publicidade de serviços de advocacia devem sempre indicar o nome ou o nome social do advogado ou da sociedade de advogados com o respectivo número de inscrição ou de registro; devem, também, ser redigidos em português ou, se em outro idioma, fazer-se acompanhar da respectiva tradução. (NR. Ver Provimento n. 172/2016)
  • Participar de programas de rádio, de televisão e de qualquer outro meio de comunicação, inclusive eletrônica, desde que se limite a entrevistas ou a exposições sobre assuntos jurídicos de interesse geral, visando a objetivos exclusivamente ilustrativos, educacionais e instrutivos para esclarecimento dos destinatários.

Como fazer Marketing Jurídico?

  1. Antes de tudo faça um diagnóstico da sua situação. Tenha clareza sobre qual é o seu nicho de mercado, como está o seu posicionamento, sua presença e reputação, qual a sua especialidade, para onde o seu mercado está indo, quais são as tendências do seu mercado e quem são o seus principais concorrentes.
  2. Entenda profundamente quem é o seu cliente e o que ele precisa. Faça entrevistas e pesquisas para conhecer melhor o seu cliente. O objetivo é você validar informações como: (1) por que esse cliente escolheu o meu serviço?  (2) quais são os principais problemas dos meus clientes? (3) em que momento da vida, o cliente compra o meu serviço? (4) o meu serviço previne algum problema futuro do meu cliente? (4) quais são as principais dúvidas dos meus clientes? E por ai vai……Quanto mais profundo o seu estudo e quanto antes você validar todas essas questões, mais assertivo você vai ser nas suas ações de marketing. Lembre-se que não vale achismo, precisa ter validação!
  3. Agora que você já se conhece melhor e conhece mais o seu cliente é hora de estabelecer um objetivo. Qual é o seu objetivo?
  4. Com o objetivo em mãos é o momento de elaborar o seu PLANO. De forma bem resumida,  você vai colocar no papel o que você deseja alcançar, o que será necessário fazer para alcançar o objetivo, como, porque e quando.
  5. Agora é partir para o ataque!

 

Exemplos de Objetivos de Marketing:

  • Gerar mais leads;
  • Posicionar a marca;
  • Fidelizar clientes;
  • Aparecer na primeira página do Google para determinada palavra-chave ou termo de busca;
  • Fortalecer a marca;

Estratégias de Marketing

Nós da Agência LCP acreditamos que para cada objetivo de marketing existe uma estratégia única.

Nós não acreditamos em estratégias generalistas.

A estratégia diz respeito ao o que será feito para alcançar determinado objetivo.

As estratégias de marketing podem ser variadas como:

  • Marketing de Conteúdo;
  • E-mail Marketing;
  • SEO (Search Engine Optimization);
  • SMO (Social Media Optimization);
  • Links patrocinados;
  • Redes Sociais;
  • Live Marketing;
  • Marketing de fidelização;
  • Marketing de influência;
  • Marketing Pessoal;

 

A prática do marketing jurídico precede de planejamento. Essa etapa é fundamental para que o projeto seja bem sucedido.

Para atingir resultados mais efetivos, as ações de marketing devem estar alinhadas aos objetivos do escritório.

O escritório que não sabe onde quer chegar e não sabe para onde está indo, dificilmente vai ter sucesso nas suas ação de marketing.

Quem não tem a capacidade de dedicar certo tempo para analisar o hoje e tentar prever para onde está indo o seu mercado, o que fazem os seus concorrentes e quais são os anseios do consumidor, corre um grave risco de ser mais um case de fracasso”.  Walter Longo

Assim recomendamos que você:

  1. Estabeleça um objetivo;
  2. Defina as estratégias necessárias ou a estratégia necessária para atingir o seu objetivo (Dependendo do seu objetivo você vai utilizar mais de uma estratégia de marketing);
  3. Elabore o seu Plano.

O que vemos muito acontecer no mercado jurídico são escritórios de advocacia implementando algumas ações de marketing, porém sem ter feito o passo anterior que é conhecer muito bem as necessidades do  cliente.

Alguns escritórios querem fazer o que o concorrente está fazendo e não o que satisfaz o próprio cliente.

Esse é um erro clássico. É preciso ter um olhar para a satisfação do cliente antes de tudo.

Clique aqui para ler o artigo “Os 11 Maiores Erros no Marketing Jurídico”

Como fazer a divulgação de um escritório de advocacia?

A divulgação de um escritório de advocacia ocorre sempre, através de conteúdo informativo e utilizando as mídias proprietárias, mídias pagas e mídias ganhas.

  • Mídias Proprietárias: sites, blogs, e-mail e redes sociais.
  • Mídias Pagas: Google ads, facebook ads, Instagram ads, linkedin ads, youtube ads, jornais, revistas e outros.
  • Mídia Ganha:  é a repercussão gratuita que uma empresa pode obter com suas publicações de conteúdo, como comentários, compartilhamentos e avaliações.

Recomendo que você utilize tanto as mídias proprietárias quanto as mídias pagas.

Mas lembre-se sempre:

“A melhor propaganda é feita por clientes satisfeitos.” Philip Kotler

Vale lembrar que, quando se trata de marketing jurídico é essencial consultar o TED da sua região antes de investir em mídia paga e também seguir as diretrizes do código de ética e disciplina da OAB.

Infelizmente além de não existir um consenso em relação a esse ponto (cada região tem um entendimento), a norma está desatualizada em relação ao uso de canais digitais para divulgação de conteúdos.

 

Como fazer a divulgação de um escritório de advocacia?

Marketing de Conteúdo Jurídico

No segmento jurídico é vedada a captação de clientes de forma direta, por isso o marketing de conteúdo é um grande aliado.

Conteúdo é o novo anúncio, #hashtag é o novo slogan. Em poucas palavras, marketing de conteúdo é uma abordagem que envolve criar, selecionar, distribuir e ampliar conteúdo que seja interessante, relevante e útil para um público claramente definido com o objetivo de gerar conversas sobre esse conteúdo. O marketing de conteúdo também é considerado outra forma de brand journalism (“jornalismo de marca”) e brand publishing (“publicações de marca”) que cria conexões mais profundas entre marcas e consumidores.

As marcas que estão realizando um bom marketing de conteúdo fornecem aos consumidores acesso a conteúdo original e de alta qualidade enquanto contam histórias interessantes sobre si mesmas. O marketing de conteúdo muda o papel dos profissionais de marketing, de promotores da marca para contadores de histórias.”  Philip Kotler

O Advogado pode criar conteúdos relevantes e com isso atrair atenção, gerar interesse, ganhar autoridade no assunto e desta forma, gerar oportunidades de negócios.

O foco é sempre produzir conteúdo de caráter meramente informativo e não um material publicitário.

Isso pode ser feito por meio de artigos, posts, podcasts, vídeos e outros formatos.

Em síntese, para o marketing de conteúdo ter resultado é necessário ter um planejamento e combinar com outras estratégias de marketing digital como SEO, Inbound e Redes Sociais.

Outro ponto importante é que você vai construir o seu legado ao longo do tempo.

Não tem como construir  uma autoridade de forma rápida.

 

Quais formatos de conteúdo que você pode utilizar para fazer Marketing de Conteúdo Jurídico?

  • Apresentações;
  • Artigos;
  • E-book;
  • Entrevistas;
  • Infográficos;
  • Lives;
  • Newsletter;
  • Perguntas e Respostas;
  • Podcast;
  • Post;
  • Vídeos;
  • Webinarios;

 

Marketing Digital Jurídico

Nos últimos anos, as relações de consumo mudaram de forma significativa devido ao aumento do número de pessoas que acessam a internet e também as redes sociais.

O consumidor atual tem mais acesso a informação quando vai buscar por um produto ou serviço e a internet é cada vez mais utilizada para o consumidor reunir essas informações e tomar uma decisão.

A quantidade de usuários nas Redes Sociais no Brasil cresceu de forma significativa nos últimos anos e a  tendência, segundo o estudo da Global Digital Outlook,  é que continue crescendo.

Além do mais, o estudo também aponta que as pessoas estão passando cada vez mais tempo nas redes sociais, isso explica porque o  valor dos anúncios em mídias sociais só cresce.

Isso significa que se você ainda não utiliza as redes sociais como um de seus canais, você está deixando dinheiro na mesa.

Assim, surge a necessidade de ter uma estratégia de marketing que considere o cenário atual e esse novo perfil de consumidor.

O marketing digital jurídico é a estratégia perfeita para esse novo cenário.

Por último,  o  Código de Ética e Disciplina da OAB permite a publicidade dos serviços dos advogados por meios eletrônicos, como redes sociais, porém sem tentativa de captação de clientela, sem mercantilizar a profissão, o conteúdo deve ser MERAMENTE INFORMATIVO e sempre prezar pela discrição e sobriedade da advocacia.

Por Luana Manzini

 

 

E agora você está convencido que é importante iniciar um plano de marketing digital jurídico?

A Agência LCP possui profissionais que podem criar uma estratégia única de marketing digital jurídico para o seu escritório.

Clique aqui e converse com um de nossos consultores

Agência LCP – Marketing Digital